terça-feira, 18 de julho de 2017

4 meses

Estes 4 meses passaram a voar. 16 semanas, hoje.
Felizmente os enjoos, agonias e afins, acalmaram.
Eu que raramente vomito ou fico mal disposta, estranhei bastante.
Mas agora a situação está mais controlada e eu sinto uma gratidão enorme por isso.
O rastreio do primeiro trimestre está negativo e isso é realmente o que mais me importa.
Este bebé é tão mexido... na última ecografia foi o cabo dos trabalhos para se conseguir ver alguma coisa. Mas lá se conseguiu.
Estamos muito felizes porque até ao momento está a correr tudo bem.
Já sinto muita pressão na barriga! Deve ser quando anda às cambalhotas!

Que continue sempre com esta energia e acima de tudo, que seja saudável e uma criança muito feliz.

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Radiante!

Pois é, muito há para dizer desde o último post.
Chegou o Verão, o calor [danado que nem se conseguia dormir, as casas pareciam estufas].
Já dei o primeiro mergulho numa das praias que mais adoro, na Comporta.
Comemorámos quatro anos que nos conhecemos na passada semana e eu não podia estar mais feliz.
Estamos muito felizes porque a família vai aumentar e é indiscritível o que se sente.
Dispensava todos os enjoos e más disposições que me têm assolado há quase 3 meses, mas tirando isso é maravilhoso e não há muitas palavras que o consigam descrever.
Até agora está a correr tudo bem e apesar de ser uma gravidez de risco não tenho do que me queixar. Aguento o que tem chegado com toda a gratidão do mundo. É um privilégio conceber esta vida que agora me acompanha todos os dias!

Obrigada vida, obrigada amor. Não preciso de muito mais. Que se mantenha tudo a correr bem como até aqui.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Saudades do Verão...



Este ano já fizemos praia uma vez. Ainda me consegui molhar até à cintura, mas nada se compara com as águas quentes da Comporta, ou as que apanhámos a 26º, o ano passado no Algarve.
Tenho saudades das férias de Verão. Cheiro a mar, muitos banhos, bolas de berlim sem creme, peixinho assado... Falta muito?! Espero bem que não...

Fotografias da autoria do melhor marido do mundo!

terça-feira, 9 de maio de 2017

Clichés que afinal até têm o seu quê...


Ando a ler este livrinho há algum tempo. Não tem sido uma leitura compulsiva e por isso é que ainda não o terminei. Pelo meio vejo uns episódios das séries que adoro e por isso é que ainda dura a leitura. Este livro é das coisas mais simples que já li, já tinha ouvido muito falar e a verdade é que praticamente há 10 anos que a minha mãe o tinha em casa. 
Dá que pensar, dá que reflectir e realmente aborda temáticas tão simples e que fazem todo o sentido. O olhar a vida com olhos de riso, com pensamento positivo, boa disposição, ver sempre o copo meio-cheio. É esta a minha forma de estar na vida. Sempre foi, mas agora é mais ainda. A vida é o bem mais precioso que temos, de mão dada com a saúde. De rirmos e sorrirmos e partilharmos isto com quem amamos e nos ama, não precisamos de mais nada. É tão simples, não é? Realmente as melhores coisas da vida são grátis, por isso vamos aproveitar o agora. Depois ninguém sabe e pode mesmo ser longe de mais...
Ser feliz, pensar coisas boas, ajudar os outros e respeitar sempre o próximo. Nunca devemos ter pena de fazer o bem aos outros, ter boas atitudes. Ainda que por vezes haja aquele sentimento que não o devíamos fazer. Não! Devemos sempre fazer o bem, isso é tudo o que basta para que também cheguem coisas boas à nossa vida. Eu acredito e seguirei sempre esta minha convicção.
Fotografia: Google Imagens


sexta-feira, 5 de maio de 2017

Finalmente é 6a Feira!

O dia começou atribulado. Perdi o autocarro na paragem habitual, o que me obrigou a caminhar quase um quilómetro para o apanhar! Carregada que nem uma mula, porque mais logo vou abraçar a cidade do meu coração. Chegada a Lisboa, começa uma sequência de aguaceiros fortes que me deixaram pintainho... Mas já sequei, o fim de semana está aí e mais logo vou aninhar-me nos braços do meu Amor. Obrigada vida! Obrigada por me proporcionares todas estas vivências. Obrigada!

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Que filme arrebatador...



Tínhamos o filme para ver há algum tempo. Como andamos a ver juntos a nova temporada do Prison Break, tem sido adiada a sessão de cinema. Ontem fizemos uma matiné e sem dúvida nenhuma que é um grande filme. Adorei a personagem do Saroo, a cumplicidade dos irmãos, tudo. Amei o filme. Muito muito bom. Lion, uma longa estrada para casa. 
 Imagem: IMDB

quarta-feira, 26 de abril de 2017

As férias foram maravilhosas!


As férias foram novamente ao Gerês. Fui lá mais nos últimos tempos, do que em todos os anos que tenho de vida [e continuaremos a ir]. É óptimo. Uma verdadeira tranquilidade, apreciar a paisagem, ouvir a água a correr em todo o lado... Tranquilizante.
Conseguimos juntar a família de ambos os lados e não podia ter sido melhor. Não me canso de recordar aqueles dias. Os miúdos e a sua boa disposição. Contagiaram-nos a todos. As piadas, as galhofas. Que maravilha. Apetecia carregar no STOP e ficarmos ali a viver aquilo por mais uns dias.
Uma casa na aldeia feita de pedra, situada no cimo da montanha [cada uma daquelas pedras foram carregadas à mão, pelo meu avô paterno com ajuda dos meus tios], simples, com muitas melhorias a fazer, mas no fundo com o melhor de tudo. O Amor. O imenso Amor que se partilhou naqueles dias. Isso faz de qualquer casa, um lar. 
Lavei muita roupa no tanque, andei com o nariz a pingar diariamente, mas o Sol e o calor valeram por tudo. Esteve um tempo melhor do que em muitos dias de Verão. Acendemos a salamandra só para ver o lume a aquecer-nos ainda mais a alma.
Jogámos aos países [umas "paísadas"] cheias de boa disposição e muito riso. Passeámos a Espanha, fomos ao Miradouro da Pedra Bela [o caminho para mim foi assustador, faz-nos sentir minúsculos, mas valeu muito a pena] e à Cascata do Arado. Uma coisa eu sei e sabemos, deixou umas saudades imensas a todos. Portugal é lindo de Norte a Sul. Sinto um imenso orgulho neste país. Viver a vida pelo bem, desfrutar da natureza, perdoar, agradecer vezes sem conta e seguir de coração cheio. Obrigada vida. Muito e Muito Obrigada. Por tudo.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Contagem decrescente

Para a semana vou de férias. Aliás, amanhã vou de férias. Quando o relógio bater dezoito badaladas, aí vou eu. Mochila às costas, música, phones e séries para a viagem que eu adoro fazer.
O nervoso miudinho a crescer no estômago e aquela ânsia boa de chegar ao Porto de Abrigo.
Estou mesmo a precisar fazer uma pausa no trabalho. E estas férias trazem tanta coisa boa que eu nem sei. Trazem amor, família e sobrinhos mais bons desta minha vida. Não me canso de agradecer em cada dia o que é isto de viver.
Respirar ar puro, partilhar tempo, momentos e amor com quem mais se ama e com quem realmente faz toda a diferença na minha vida. Aquele núcleo tão poderoso todo junto, que maravilha.
Agora vou só ali preparar as malas, porque o fim‑de‑semana se vai estender por mais dias e eu não estou em mim de felicidade!
Muito e muito obrigada, Vida ❤️

quinta-feira, 16 de março de 2017

Há coisas que nunca vou entender, nem quero.
Sei que tudo o que são valores estão fora de moda e a palavra vale menos do que uma moeda de um cêntimo, cheia de ferrugem.
Apenas me consigo sentir triste perante as situações que diante de mim ocorrem. Olho para elas como o chão que não quero pisar e a porta que não quero abrir.
No entanto, não deixo de me entristecer, porque me considero uma pessoa de emoções e há coisas com as quais, simplesmente, não sei lidar.
Que o dia que hoje começa, possa ser melhor do que o de ontem.

segunda-feira, 13 de março de 2017

Ronaldo

Não gosto de Cristiano, não me inspira confiança como ser humano.  
Pode ser o melhor do mundo, não coloco nada disso em causa. 
Quando surgiu a notícia do primeiro filho e as circunstâncias em que foi, apenas fundamentou a ideia que tinha. Com a notícia de ontem, mais dois filhos sob a mesma condição, para mim, e só para mim, é de um comodismo, egoísmo atroz. Alguém que acha que o dinheiro compra tudo. Estas crianças, criadas sem mãe, terão inevitavelmente mazelas para o futuro. Dinheiro nenhum no mundo paga um amor de mãe. 
Admiro o seu esforço. Quando veio para Lisboa, ainda uma criança, deve ter chorado muito pelo colo da mãe, no entanto, não aprendeu nada com isso. E estas namoradas que aceitam tudo isto impávidas e serenas?! Não me venham com coisas, mas não são comportamentos normais. 
Queria ser generoso e partilhar o seu amor?! Adoptava. Acho um gesto especialmente nobre que não está ao alcance de qualquer um. Sou muito antiga em certas ideias, especialmente no conceito de uma família. E custa-me ver que, para alguns, o dinheiro simplesmente dá para comprar tudo!